De olho no autor #6: Landulfo Almeida

Oie oie pessoas, tudo bem com vocês?

Quem estará hoje no De olho no autor é o Landulfo Almeida, autor de As duas faces do destino. O Landulfo foi um dos primeiros autores a se tornar parceiros do blog, e sou muito grata à ele pela confiança!


Let's go go go?

Nascido em Brasília em 1968, LANDULFO ALMEIDA passou sua adolescência e boa parte da vida adulta em Salvador. Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal da Bahia e pós-graduado em Marketing de Serviços, trabalhou como engenheiro de software, foi empresário, professor e executivo. É entusiasta do mercado financeiro e opera na Bolsa de Valores. Apaixonado por ciência, ficção científica e literatura fantástica, procura usar sua experiência eclética e seus diversos interesses para enriquecer suas histórias, criando ambientes e personagens plausíveis e permitindo à imaginação fluir livremente.
Bruno havia desistido de encontrar um sentido para sua vida quando é recrutado por uma extraordinária mulher, dona de habilidades incomuns, para lutar contra um poderoso inimigo. Kerligan Amnael possui o conhecimento, o dinheiro, a inteligência e a vontade para causar enormes prejuízos à humanidade. Apesar das dúvidas, Bruno resolve seguir seu coração e seus instintos e abraçar o destino ofertado por Adrianna. Exilado de sua antiga vida ele é preparado para uma batalha a ser travada no mundo dos negócios bilionários, das descobertas científicas e médicas de última geração e da espionagem industrial. Incapaz de lidar sozinho com as incertezas da história de Adrianna, que alega pertencer a outro universo, Bruno busca em seus melhores amigos do passado a força necessária. Entre sabotagens e assassinatos, amizades serão testadas, paixões nascerão e um inesperado desafio tornará a cruzada de Bruno ainda mais solitária. Pistas sobre os reais planos de Kerligan e MJ, seu braço direito, revelam uma verdade surpreendente e avassaladora. Próximo ao fim, a coragem e uma descomunal força de vontade serão as principais armas do casal de protagonistas para tentar salvar o futuro do planeta.

Entrevista com Landulfo Almeida 

1. Como foi seu primeiro contato com a leitura? 
Quando eu era criança, meu pai tinha uma biblioteca em casa que ocupava duas paredes. Aquilo exercia um estranho fascínio em mim. Um belo dia, instigado pelo meu programa de televisão favorito, “O Sítio do Pica-pau Amarelo”, pedi a meus pais que comprassem um dos livros da série de Monteiro Lobato. Salvo engano, não foi preciso. “As Reinações de Narizinho” estava lá.

2. Na infância, qual era sua relação com os livros?
Não fui um leitor ávido na infância, mas lia mais do que a maioria de meus amigos. Na adolescência me afastei da leitura até entrar na faculdade. Foi quando li “As Brumas de Avalon” que me apaixonei verdadeiramente pelos livros. Percebi quão mágico, profundo e inteligente um livro podia ser.

3. Quando você começou a escrever? 
Eu sempre gostei de escrever. Escrevia críticas sobre filmes na época de faculdade (sempre amei o cinema). Não mostrava para quase ninguém. Depois de formado me envolvi tanto com as atividades profissionais que acabei me distanciando da escrita. Eventualmente registrava uma ideia. Porém, não conseguia tempo para desenvolvê-la. Quando minha filha nasceu resolvi diminuir o ritmo de trabalho e, como consequência natural, voltei a escrever. Criei uma série de histórias para ela: “As histórias da princesa Lulu”. Depois passei a registrar várias ideias de potenciais livros. Contudo, foi apenas quando reorganizei completamente minha atividade profissional, liberando preciosas horas durante o dia, que pude dar vazão ao forte desejo de colocar em papel uma grande história. Mesmo assim, não pensava em ser escritor. Somente depois das primeiras cinquenta páginas é que o sentimento cresceu em mim. A vontade de continuar fazendo aquilo todos os dias. De repente, escrever se tornou uma necessidade, uma terapia.

4. Quais são suas inspirações para escrever? Tem algum autor como referência?
Vários autores e obras servem de inspiração e referência. Cada um deles possui um traço característico que admiro e que me influencia. Dentre eles, posso citar George R.R. Martin, Stieg Larsson, Jeffrey Archer, Stephen King, Anne Rice, Marion Zimmer Bradley e J.K. Rowling.
Posso listar alguns livros que me marcaram. A trilogia “Millennium” de Stieg Larsson; “Caim &Abel” e “A filha pródiga” de Jeffrey Archer; “As brumas de Avalon” de Marion Zimmer Bradley (os quatro livros); “O vampiro Lestat” e “A rainha dos condenados”, das crônicas vampirescas de Anne Rice; “As Crônicas de Gelo e Fogo” de George R.R. Martin; “Labirinto” de Kate Mosse; e “Harry Potter” (o conjunto).
No meu canal no youtube (https://www.youtube.com/user/LandulfoAlmeida) eu publico os vídeos “Pérolas na Estante” onde eu e os autores Marcelo Hipólito e Janaína Rico falamos de nossas dicas literárias semanalmente. 

5. Os personagens do seu livro foram inspirados em alguém que você conhece?
A maioria dos personagens é puramente fictícia. Outros são uma mescla de pessoas que conheci em algum momento de minha vida. Mas, ainda assim, suas personalidades são totalmente fictícias.
Normalmente eu penso na personalidade do personagem, algo que se encaixa na trama, depois penso nas suas características físicas, profissão adequada àquela personalidade, etc.
A grande exceção é Olívia. Ela nasceu para cumprir um papel menor na trama e sua importância, de certa forma, cresceu alheia à minha vontade. Eu precisava apresentar uma solução ou criar um problema e Olívia aparecia como ponte ideal para resolver a questão. Isso aconteceu várias vezes.

6. Você já recebeu críticas negativas ou mal educadas sobre o seu trabalho?
De fato, tive sorte nesse quesito. Em determinadas resenhas foram apontados pontos considerados negativos por seu autor, mas sempre fizeram questão de explicitar também os pontos positivos da obra. De forma que o saldo sempre me pareceu positivo. Também nunca fui tratado com desrespeito ou falta de educação.  

7. Quanto tempo levou para escrever seu livro e como foi a experiência? 
Entre a primeira palavra e a finalização foram três anos, com uma pausa de seis meses, aproximadamente, nesse período. A inexperiência me prejudicou. Não fiz todos os registros necessários no início do processo. O livro acompanha sete anos da vida de alguns personagens e três de outros. Nesse período a vida deles muda radicalmente e era preciso rastrear todas as mudanças para garantir a integridade da história e evitar qualquer erro de continuidade. Hoje tenho um método de registro que facilita o trabalho e torna mais rápidas as consultas necessárias.
Não me preocupei com a demora, pois não pensava, ainda, em publicar. Era apenas lazer, diversão e relaxamento. Foi um processo de autodescoberta que me fez um bem enorme.

8. Quais são as dificuldades para que um autor consiga ter seu livro publicado e conhecido no mercado literário brasileiro? 
A única coisa fácil, por assim dizer, é escrever. O resto é sempre difícil. Dito isso, é mais fácil publicar hoje que no passado. Existem mais opções para o autor iniciante do que há dez anos, por exemplo. A receptividade das editoras grandes tem aumentado em relação ao autor nacional. Se o autor não conseguir uma editora para assumir o projeto, ele pode optar pela autopublicação tradicional, publicação paga ou compartilhada com uma editora ou mesmo autopublicação em meio digital. Os caminhos possíveis são muitos.
Sendo assim, elencaria a distribuição e a divulgação como os maiores obstáculos. Conseguir presença das livrarias e espaços de destaque é muito difícil. O espaço reservado aos autores estrangeiros de ficção ainda é significativamente superior aos nacionais.

9. Para você, qual a melhor coisa em escrever?
As histórias que crio me permitem viajar pelas emoções na pele dos personagens, imaginar como reagir e instigar a mente diante das infinitas possibilidades. É emoção pura. A razão vem antes, na preparação do roteiro, e depois, nas revisões. O “durante” é a melhor parte.

10. Sei que essa pode ser uma pergunta difícil, mas qual seu livro preferido?
Se tivesse que citar apenas um, e isso deixaria de fora todas as séries e trilogias, este seria “Caim e& Abel” de Jeffrey Archer.

11. Se fosse um personagem, qual seria? Por quê?
Seria Bruno, de “As Duas Faces do Destino”. O personagem tem um pouco de mim e adoraria ser colocado na situação na qual ele foi envolvido. Descobrir o que ele descobriu sobre o mundo e sobre sua própria vida, passado e futuro, seria fascinante.

12. Além de escrever, você também lê bastante?
Sim. Leio muito e de tudo. De biografias e livros técnicos à fantasia, passando pelos clássicos. Romance, policial, chick-lit, nacional, internacional, não importa, se for bom, quero ler.

13. Qual livro nacional você recomenda? Por quê?
Tarefa ainda mais difícil. Prefiro sugerir um para cada gênero. O chick-lit “Apimentando” de Janaina Rico, o policial “Presságio – O assassinato da freira nua”, de Leonardo Barros, a fantasia “O Mago de Camelot” de Marcelo Hipólito, a série infanto-juvenil “Minha Vida Fora de Série” de Paula Pimenta (esses eu não li, mas minha filha amou) e a aventura vampiresca “Os Sete” de André Vianco. Indico todos pelo mesmo motivo, são originais, bem escritos, e prendem o leitor.
No meu canal no youtube (https://www.youtube.com/user/LandulfoAlmeida) publico os vídeos de entrevista “Na Mira dos Autores” onde eu e os colegas Marcelo Hipólito, Leonardo Barros e Janaína Rico conversamos com escritores nacionais sobre suas obras. Acreditamos ser nossa obrigação ajudar a divulgar a literatura nacional, tão rica e diversificada.

14. Poderia nos contar um pouco do seu livro?
É uma história de mistério e aventura com pitadas de romance, que tem como fio condutor da narrativa a ficção científica. Apesar dessa última observação, o livro se passa quase que totalmente no mundo de hoje, com personagens humanos e complexos. Questões como o amor, a amizade e as escolhas que a humanidade tem feito permeiam sutilmente a aventura.
O livro contra a história de Bruno, um sujeito comum que vê sua vida mudar radicalmente ao conhecer Adrianna. Ele logo descobre que ela é uma mulher excepcional sobre vários aspectos. Adrianna alega ter vindo de um universo paralelo ao nosso. Através dela, Bruno será envolvido em uma trama na qual está em jogo nada menos que o próprio destino da humanidade. Para deter Kerligan Amnael, o antagonista de Adrianna, ele precisará fazer parte do mundo dos negócios bilionários, promover descobertas científicas de última geração e se envolver em espionagem industrial. Terá que enfrentar sabotagens, assassinatos e, principalmente, as próprias dúvidas sobre a história de Adrianna.

Tão importante quanto o mistério e a aventura é a transformação de Bruno, de um brasileiro comum de classe média, sem maiores propósitos em sua vida, a um dos homens mais ricos do planeta, com uma missão quase impossível. As dúvidas e o peso da responsabilidade estarão sempre presentes na narrativa. Parece uma história inverossímil, mas garanto que tudo é muito bem embasado e explicado para dar veracidade à trama. E não falta ação, pode ter certeza.
A aventura começa em Salvador, mas logo se polariza entre São Paulo e Londres. Tento ao mesmo tempo prestigiar o Brasil e tornar a obra universal.

15. Tem algum trabalho futuro chegando? Poderia nos falar um pouco dele ou é segredo?
Espero finalizar até o terceiro trimestre deste ano a última parte do meu novo romance. Trata-se de uma história repleta de mistério. Uma antiga lenda indígena e pinturas rupestres encontradas em uma gruta escondida na Amazônia são peças do quebra-cabeça que o leitor precisará decifrar. Espero que gostem!
Ainda não tenho data para a publicação, mas deve acontecer apenas em 2015.

"Gostaria de agradecer à Driely e ao blog MilkShake de Palavras pelo convite para responder essa entrevista. Foram perguntas excelentes. Aproveito para deixar um grande abraço para os leitores do blog!"

Ps. : Eu também super recomendo o livro Presságio (resenha). 
Ps²: Estou doida para o romance! Aguardando ansiosamente mais notícias sobre o lançamento!
Ps³: Eu é que agradeço pela participação, Landulfo! Foi um prazer ter você aqui no meu cantinho.
Aproveitando que o autor mencionou o Na mira dos autores, hoje ás 19h acontecerá uma entrevista exclusiva com Marcelo Siqueira e Gustavo Almeida, autores da série O príncipe gato.


MilkMilks
Dryh Meira

13 comentários

  1. Eu amei este livro <3
    Ele (o autor) parece ser uma pessoa legal haha :3 Adorei o post >.<

    Beijos ♥ || Inside

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haaaa me esqueci de dizer, me apaixonei pelo nome do blog, super criativo <3 (to com recalque u.u)

      Excluir
  2. Oi, Dryh!
    Já na primeira pergunta me identifiquei com o autor. O primeiro contato dele com a leitura foi com Monteiro Lobato - o cara que me ensinou a gostar de ler. E Reinações de Narizinho é um dos meus livros infantis preferidos...
    Além disso, as influencias literárias dele são as mesmas que as minhas, rsrs, especificamente, Harry Potter e As Cronicas de Gelo e Fogo.
    Gostei muito da entrevista, fiquei curioso para conhecer o livro do Landulfo!

    Abraços,
    Diego.

    pecasdeoito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acredita que eu nunca li nada do Monteiro? *-* também não cheguei a ler As Crônicas de Gelo e Fogo *-*

      Excluir
  3. Oi Dryh, gostei da entrevista. Realmente hoje em dia está mais "fácil" do que há 10 anos.
    Ah, acho que vou querer ler o novo livro dele. rsrsrsrs
    Beijocas
    http://marlicarmenescritora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha' espero que fique cada vez mais fácil publicar livros nacionais por aqui *-*

      Excluir
  4. Adorei a entrevista e saber mais sobre este autor. Já conhecia o livro e parece ser mesmo muito bom, a sinopse me deixa curiosa. :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eba, fico feliz que você tenha gostado, Dani ^^

      Excluir
  5. Oi, Dryh! Como vai? *-*
    Adoro esses trabalhos que prestigiam a literatura nacional; blogueiros e autores tentando levar às pessoas o que elas não conhecem e com certeza deveriam conhecer. Adorei a entrevista! Um dia, espero que em breve, eu ainda conseguirei criar perguntas interessantes! hahahahha Sério, não sei entrevistar D: Antes eu sabia, mas agora... Pois bem, conheci pessoalmente o Land na Bienal e, gente, ele é muito legal, um amorzinho <3 Também conheci o Leo Barros, o Marcelo Hipólito e os Bento de Luca. Todos são muito legais! Ah, que saudade... Enfim, adorei tudo! De verdade. E acho muito legal o fato de o Land ler todos os gêneros literários.
    Beijinhos,
    Karol.
    http://heykarol.blogspot.com.br/

    P.S. Nada a ver com a postagem (kk), mas só para saber, porque estava me lembrando esses dias: aquele book tour que vocês estavam fazendo - e eu ia participar - ainda vai rolar/está rolando ou algo assim? ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha' eu também não sou lá muito boa com perguntas, fico um tempão fazendo *-* não consegui conhecer nenhum deles :/
      acabou não dando certo :/

      Excluir
    2. Sobre você não ter podido conhecê-los: poxa, que pena :(
      Sobre o book tour: poxa, que pena :(

      Excluir
    3. pois é, uma das meninas, a que estava com o livro, sumiu do mapa; excluiu o blog e não responde os meus e-mails, tive que cancelar :/

      Excluir

Oiê! Muito obrigada por passar por aqui, deixe um recadinho com o link do seu blog e a gente dá uma passadinha lá mais tarde :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...